Grandes mulheres do ramo da ciência, política e da arte não foram devidamente reconhecidas ao longo da história, muito menos as maiores vilãs.

O mundo do contrabando, tráfico de drogas e o crime organizado não é dirigido só por homens. Às vezes, as cabeças das maiores organizações criminosas são mulheres. Hoje vamos apresentar para vocês, as 5 maiores criminosas da história.

Confira:

1. Pearl Elliott

Pearl Elliott

Elliott era uma poderosa madame de Chicago. Durante a época da proibição, junto com John Dillinger e Harry Pierpont, eles dominou grande parte do negócio de prostituição, drogas e apostas ilegais na cidade.

Inicialmente, o bordel de Elliot tinha proteção da polícia, ao mesmo tempo que servia como um esconderijo para seus companheiros de crime. Com Elliot no bordel e Pierpont nas ruas, o negócio estava andando bem. Elliot iludiu a polícia e viveu até a idade de 47 anos, quando morreu de uma doença que supostamente era câncer.

2. Ma Barker

Ma Barker

Arizona Clark e George Barker formavam, junto de seus quatro filhos, uma família do crime. Arizona Barker liderou uma pequena gangue que era nada mais nem nada menos do que sua própria família. Em 1927 um filho de Barker cometeu suicídio para evitar a prisão, e posteriormente o resto dos irmãos foram presos.

Quando Fred, o mais jovem dos filhos, foi libertado da prisão, voltou  para se unir a gangue de Alvin Karpis, formando a gangue Barker-Karpis . Em 1932, todos os irmãos estavam livres e a gangue novamente voltou a ativa. Rapidamente adquiriram a reputação de a mais perigosa gangue criminosa dos Estados Unidos. Em 1935, o FBI invadiu a casa de Braga, onde em um tiroteio acabou falecendo.

3. Stephanie St. Clair

Stephanie St. Clair

St. Clair nasceu em 1885 na Martinica, ilha francesa no mar do Caribe. Em 1912, ela partiu para Nova Iorque e estabeleceu-se no bairro de Harlem, onde ela começou sua carreira no mundo do crime organizado. Ela começou a assumir os negócios de drogas, álcool e apostas ilegais.

Stephanie St. Clair liderou um dos dois grandes grupos que competiam para o domínio de Harlem, durante a era da proibição. Nos anos 30 e 40 contra a guerra de gangue de Dutch Schultz, mais de 40 pessoas foram mortas. St. Clair perdeu o poder e se entregou após perceber que não poderia sustentar a guerra por mais tempo.

4. Marie Baker

Marie Baker

Também conhecida como a garota das duas armas. Marie Baker liderou uma gangue de mulheres conhecidas como as Pretty Pants, que literalmente significa belas calças. Elas tinham esse nome graças a um famoso roubo de uma loja em Miami, no qual Baker fez todas mulheres terem suas calças removidas.

Baker foi uma mulher bonita, de acordo com as notícias de Miami, e a própria vaidade fez ela cair. Enquanto verificada a maquiagem durante o assalto a uma loja, um refém conseguiu escapar, e ela rapidamente foi capturada. Em seguida, descobriram seu verdadeiro nome, Rose durante.

5. Virginia Hill

Virginia Hill

Ele morava nos Estados Unidos entre 1916 e 1966. Foi uma dos maiores protagonistas femininas do crime organizado. De origem humilde, Hill tinha só teve seu primeiro par de sapatos aos 17 anos. Ela trabalhou para Al Capone em Chicago e foi parceira do famoso gângster Bugsy Siegel, um dos principais distribuidores de álcool durante a lei seca.

Quando despediram Siegel em 1947, Virginia Hill afirmou que não tinha conhecimento sobre as atividades ilegais de seu parceiro e não sabia quem ou por que eles iriam querer matá-lo. Daí em diante ela tomou as rédeas do negócio e foi ganhando território e poder em Los Angeles. Na Áustria, ela foi misteriosamente encontrada morta por uma suposta overdose.